[LISTA] 8 momentos incríveis da história do Oscar

A cerimônia do Oscar, que acontece no próximo domingo, dia 26, estará em sua 89ª edição. Nessas quase nove décadas de premiação, tivemos alguns grandes momentos. Elaborei uma lista com 8 dos mais inesperados, emocionantes e inesquecíveis, que serão listados de forma aleatória.

8. Michael Moore ganhando o Oscar de Melhor Documentário

Em 2003, Michael Moore levou o Oscar de Melhor Documentário por “Tiros em Columbine”, que por sinal é fantástico, assim como toda a filmografia de Moore (meu favorito é Sicko S.O.S Saúde e Capitalism: A Love Story). O diretor, que sempre fez críticas ao governo Bush, clamou em seu discurso: “Shame on you, Mr. Bush!”, sendo vaiado  por uns e aplaudido por outros na plateia.

7. Heath Ledger levando o Oscar póstumo em 2009

Em 2009, antes do lançamento do aguardado Batman: O Cavaleiro das Trevas, o mundo recebeu a notícia da morte de Heath Ledger, aos 28 anos, com muito pesar. Ao assistirmos sua entrega ao personagem Coringa, torcemos pela indicação, mas não esperávamos que ele vencesse. O Oscar póstumo só tinha sido entregue uma única vez na história antes dele, para Peter Finch.

6. Marlon Brando recusando o Oscar por “O Poderoso Chefão”

Eu pensei algumas vezes antes de colocar esse momento na minha lista, pois criei uma aversão a tudo que viesse de Marlon Brando após saber que a cena de estupro gravada em O Último Tango em Paris foi real, e previamente combinada junto ao diretor Bernardo Bertolucci (sem o consentimento de Maria Schneider). Mas, de qualquer forma, foi uma ação importante e merece destaque. Ao vencer o Oscar em 1973 pelo seu papel em O Poderoso Chefão, Brando recusou o prêmio em protesto, enviando em seu lugar uma ativista de origem indígena que discursou sobre a forma com que os povos indígenas americanos eram tratados pela indústria cinematográfica.

5. Cuba Gooding Jr. comemorando o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante

Definitivamente um dos momentos mais engraçados/inspiradores/fofinhos da premiação. Cuba Gooding Jr venceu na categoria de Melhor Ator Coadjuvante em 1997 por Jerry Maguire, e enquanto a famosa musiquinha do Oscar avisando que seu tempo para falar acabou entrava, Cuba foi se empolgando cada vez mais, sendo ovacionado pela plateia.

4. Halle Berry vencendo o Oscar de Melhor Atriz em 2002

Ela venceu pelo filme A Última Ceia e parecia não acreditar que estava vivendo aquele momento. Ela agradece por todas as mulheres negras que abriram caminho para que pudesse estar ali, vencendo.

3. Charlie Chaplin recebendo Oscar Honorário

Muito emocionado, Charlie Chaplin é ovacionado pela plateia ao receber um Oscar Honorário em 1972 por toda a sua contribuição  e importância para o cinema.

2. Anna Paquin recebendo o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante aos 8 anos

A atriz se tornou a mais jovem a receber uma estatueta. Não é fofa a reação dela?

1. Marion Cotillard vence por Piaf – Um Hino Ao Amor

Ela está aqui não só porque gosto muito de sua reação ao receber o prêmio, mas por ser muito merecedora dele. Uma das atuações mais inesquecíveis e mais fiéis em um filme biográfico. Construir um personagem deve ser muito difícil, mas interpretar alguém que já existe parece ser mais. Marion fez isso de uma forma única. Para quem não sabe, ela interpretou a cantora francesa Edith Piaf.

Menção honrosa

Dois momentos muito especiais para o cinema brasileiro: Fernanda Montenegro indicada a Melhor Atriz e Fernando Meireles indicado a Melhor Diretor por filmes em português. Abaixo, o vídeo da Fernanda sendo apresentada pelo Jack Nicholson (não é demais)?! Aliás, ela merecia ter ganho, muito mais que Gwyneth Paltrow.

Ps: Vale lembrar que essa é uma seleção pessoal, ok?

E você: Qual o seu momento preferido do Oscar? Será que teremos mais momentos inesquecíveis esse ano em uma premiação que anda cada vez mais enlatada? Vamos aguardar! 😉

 

Stranger Things: 5 motivos para assistir

Stranger Things: 5 motivos para assistir;

Stranger things

Stranger things

Stranger Things é a nova série queridinha do momento e você com certeza ouviu falar dela nas redes sociais pelas últimas semanas. Será que vale mesmo todo o hype que está levando? Eu te digo que vale sim. E te dou cinco motivos para passar o fim de semana fazendo maratona de Stranger Things largado(a) no sofá.

A série é situada numa cidade de interior, em meados dos anos 80. A história tem início com o desaparecimento de Will, um garoto de 12 anos. A família tenta entender o que aconteceu, enquanto o chefe da polícia da cidade inicia uma investigação, e é aí que a história se desenrola. Ao mesmo tempo os amigos de Will – Mike, Dustin e Lucas – tentam localizá-lo por conta própria, mas acabam encontrando Eleven, uma menina misteriosa e com estranhos poderes.

  1. ANOS 80

stranger-things-high-school-kids-barb-600x380

Eu nasci em 1992, não vivi os anos 80, mas há algo muito fascinante nos filmes daquela época. Quem cresceu assistindo John Hughes (Curtindo a Vida Adoidado, Clube dos Cinco), Steven Spielberg (E.T – O extraterrestre, Os Goonies), Stephen King (Conta Comigo, A Coisa) e grande parte dos filmes da Sessão da Tarde com certeza vai saber do que eu tô falando. Não vivemos os anos 80, mas vivemos os filmes e séries dos anos 80 e a nostalgia é válida para os nascidos na década seguinte SIM. Em Stranger Things, tudo desde a ambientação, fotografia, figurino, trilha sonora, abertura, remete aos anos 80. É incrível a preocupação dos diretores em cada detalhe, por menor que seja.

2. EASTER EGGS

legiao_ybtXs6foFVRwUQxE4IL_TaDPmpziGj1BMYk3NC8J2W

Se você é nerd e gosta de descobrir referências escondidas em séries e filmes, Stranger Things está repleta deles. Muitas delas são bem escancaradas, outras estão escondidas, como o cartaz do filme A Morte do Demônio no quadro da parede do quarto de Jonathan, irmão de Will.

3. REPRESENTATIVIDADE FEMININA

stranger-things-season-1-03

Em Stranger Things, as mulheres não esperam pelos mocinhos: elas resolvem o problema junto a eles (ou sozinhas). Percebemos claramente o cuidado dos diretores e roteiristas em não reproduzir a mulher de forma clichê e estereotipada. Existem três mulheres incríveis na série: a mãe de Will, interpretada pela Winona Ryder em seu primeiro papel em série, que aliás, está maravilhosa no papel. Há também Nancy (Natalia Dyer), irmã de Mike, que no início parece mais uma personagem feminina pré-moldada, a “mocinha fragilizada”, mas depois a vemos desabrochar de forma muito interessante. E por fim temos Eleven (Millie Bobby Brown), uma das personagens mais incríveis de toda a série. Millie Bobby Brown rouba a cena em sua interpretação, mesmo Eleven falando tão pouco ou quase nada. As expressões, os olhares, tudo convence, e ela é um dos destaques da série.

4. A HISTÓRIA

CinePOP-Stranger-Things-7-1

A história é muito bem construída e não possui muitos furos, o enredo é amarradinho, as coisas acontecem de uma forma muito convincente e completa. O trabalho de montagem da série é muito bem feito, com um desenrolar dos fatos bastante organizado, deixando tudo bem fácil de entender. A série é para todas as idades, mas para abranger também um público mais novo, é imprescindível que facilitem o entendimento. Os episódios geralmente terminam de forma que o espectador não pense duas vezes em dar play no próximo.

5. O CARISMA DOS PERSONAGENS

stranger-things

Gente, cês não tão entendendo. O que são aquelas crianças? É muito difícil não se envolver com o elenco infantil de Stranger Things. Acredito que tenha sido o ponto alto da série, a razão para que tenha se tornado um fenômeno tão rapidamente. Acredito que isso se deve em grande parte ao elenco infantil. Os atores parecem ter sido escolhidos a dedo para cada papel, e cada um tem sua personalidade muito bem definida.

BÔNUS: A TRILHA SONORA

Música eletrônica + ambientação da série são um combo perfeito. Assistam.

Leia mais sobre Series e TV.

 

 

LISTA | 4 filmes para entender melhor a ditadura militar no Brasil

LISTA | 4 filmes para entender melhor a ditadura militar no Brasil

Still de Goleiro filme de Cao Hamburger

Still de Goleiro filme de Cao Hamburger

A ditadura militar de 1964 é um tema que voltou a ser bastante pertinente nos últimos dias. Por perceber que muita gente não entende muito bem o assunto ou sente necessidade de se aprofundar um pouco melhor no tema, resolvi organizar uma lista com 4 filmes bastante informativos além, é claro, do seu valor para o cinema nacional.

 

781729b0ad286f8ebd3f182f61a77f39

Cabra Marcado Para Morrer (1984) – Eduardo Coutinho

Cabra Marcado Para Morrer conta a história de vida de João Pedro Teixeira, um líder camponês da Paraíba assassinado em 1962. O filme foi interrompido em 1964, em razão do Golpe Militar em curso no Brasil em 1964, e retomado apenas 17 anos depois.  Eduardo Coutinho, um dos meus diretores favoritos de sempre, reúne os mesmos técnicos, locais e personagens para contar essa história. Um filme assustadoramente atual, que merece ser visto por aqueles que sentem aquela sede de conhecer a verdadeira face da história. Não só o conteúdo do filme é muito emblemático, mas também a forma como ele foi filmado e a atitude baseada na sua produção e lançamento.  Vale a pena ser visto.  Coutinho não sabe o quanto somos agradecidos por ter retomado, tantos anos depois, as gravações deste filme.

 

21027962_20130813135949495

Tatuagem (2013) – Hilton Lacerda

Tatuagem se passa em Recife no ano de 1978. Apesar de ser uma ficção, o filme se passa na época da ditadura militar, abordando este tema com uma suavidade que dá gosto de ver. Em tempos onde o ódio sustenta a maioria dos debates políticos, este filme se baseia em um símbolo ainda mais desafiador. Totalmente artístico, transgressor, desconstrói paradigmas e é totalmente sem vergonha. Poesia sem pudor.

 

filme-zuzu-angel-4

Zuzu Angel (2006) – Sérgio Rezende

Brasil nos anos 60. A famosa história de uma estilista de moda famosa no Brasil e no exterior, mas que teve seu filho envolvido na luta armada contra a opressão exercida na ditadura militar.  Paulo, seu filho, é preso e torturado até a morte. Ela então inicia uma busca incessante pelo corpo do filho, para que possa enterrá-lo em paz. É um filme que tem falhas, que usa o velho tom novelístico já bem conhecido, mas que é importante. Fundamental para entender este período tão sombrio da nossa história.

 

Anne ou mes parents sont partis en vacances Ano em que meus pais sairam de ferias o 2007 real : Cao Hamburger Michel Joelsas Germano Haiut COLLECTION CHRISTOPHEL

O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias (2006) – Cao Hamburguer

Narrado em primeira pessoa, por uma criança. Um filme bonito e muito competente, que se passa nos anos 70 e tem Mauro, um garoto mineiro de 12 anos de idade que adora futebol e jogos de botão.  De repente, os pais de Mauro precisam sair de férias, o que muda completamente a vida do garoto. Na verdade, os pais de Mauro foram exilados e precisaram sair do país. O interessante é que o longa se passa da forma que o garoto enxergava a situação. Um tema tão duro e pesado é retratado de uma forma sutil e inocente, aos olhos de um menino acompanhando os jogos da Copa do Mundo e esperando ansiosamente pela ligação dos pais. É triste, mas necessário. Foi o escolhido do Brasil para representar o país no Oscar de 2008.

 

 

 

 

 

LISTA | 5 documentários da Netflix que vão expandir sua visão de mundo

LISTA | 5 documentários da Netflix que vão expandir sua visão de mundo;

Blackfish

LISTA | 5 documentários da Netflix que vão expandir sua visão de mundo

O serviço de streaming Netflix se tornou o queridinho dos cinéfilos e viciados em séries de tv, como todos sabem. Mas nela também estão guardados verdadeiros tesouros em forma de documentários, que envolvem vários assuntos, desde a vida de cantores famosos até o dia-a-dia de empregadas domésticas. Aqui vai uma lista com 5 documentários imperdíveis na Netflix, capazes de expandir a sua visão de mundo de tal forma que você poderá se tornar outra pessoa após assisti-los.

5 –  Blackfish (2014)

Blackfish

Blackfish é um documentário que trata da manutenção de baleias “assassinas” em cativeiro, e o quanto essa prática é abusiva com esses animais, fazendo-os se tornarem realmente agressivos e perigosos. São relatos de treinadores, público, representantes do SeaWorld e vários especialistas, que sustentam de forma muito coerente seus pontos de vista. O filme é muito impactante, e fará com que você reveja seus conceitos sobre muitas coisas, abrindo os olhos para uma realidade que muitas vezes nos fechamos e aprendemos a ver com normalidade.

4 – Zeitgeist (2007)

b51b902e46b48c479107dad11fd9a446-zeitgeist-the-movie-509659a8dede3-1

Este documentário certamente divide opiniões, principalmente pelo fato de expor questões religiosas e dogmáticas. Zeitgeist desfaz facilmente muitas certezas sobre questões religiosas, o ataque de 11/09, o sistema financeiro e outras questões que esses tópicos envolvem. É um daqueles filmes conspiratórios. Para quem gosta do gênero, considero uma ótima pedida. Zeitgeist é para dar uma “viajada” assistindo, pois ele exige um pouco de imaginação e, claro, que tenhamos senso crítico para extrair os prós e contras das ideias que ele desenvolve. Se você não gosta de ter suas certezas desafiadas, ele pode te incomodar muito.

3 – The True Cost (2015)

the-true-cost

Esse documentário é bastante novo na Netflix, sendo lançado no fim do ano passado. Um dos últimos filmes que vi e que me deixaram realmente estarrecida. Ele aborda a questão da exploração e escravidão que existe por trás da indústria da moda, principalmente fast fashion. É claro que eu já tinha ouvido falar, lido textos e estava um pouco familiarizada com essa situação, mas ouvindo as histórias sendo documentadas e os relatos de crianças trabalhando em tempo integral,  eu senti que precisava desse documentário para perceber que o mundo é muito maior do que está de baixo do meu nariz. Existem realidades que não fomos apresentados.

2 – Doméstica (2013)

558834_567355899961736_478371260_n

Documentário nacional que segue uma linha bastante inovadora.  Gabriel Mascaro entrega uma câmera para 5 famílias monitorarem o trabalho de suas empregadas domésticas no serviço, além dele mesmo filmar-se durante o serviço, contando histórias, anseios e medos. É muito interessante e verdadeiro, além de propor discussões muito validas. O fato das empregadas manusearem a câmera e gravarem a si mesmas estabelece uma relação muito orgânica com o espectador.  Com um pouco de sensibilidade, é possível sentir a tristeza implícita em cada situação documentada.

1 –  Ônibus 174 (2002)

ultima-parada-174-bus-01g

Tem como não se sentir uma pessoinha egoísta que vive numa bolha de privilégios depois de assistir este documentário? Ônibus 174 também se passa no Brasil. É a história de um dos assaltos mais famosos da história do país, no Rio de Janeiro, onde um homem sequestrou o ônibus 174. O filme vai além do que foi televisionado, mostrando o passado de Sandro (o autor do assalto), aprofundando-se em todas as camadas de sua vida para tentarmos entender um pouco a problemática da violência no Brasil. Documentário muito forte, triste e desanimador em muitos níveis, para se dizer o mínimo.  Ônibus 174 foi dirigido por José Padilha (Tropa de Elite e Narcos) com maestria. Esteja preparado para levar muitos tapas na cara.

LISTA | 10 Filmes com reviravoltas surpreendentes

LISTA | 10 Filmes com reviravoltas surpreendentes

LISTA | 10 Filmes com reviravoltas surpreendentes

LISTA | 10 Filmes com reviravoltas surpreendentes

 

Filmes com finais surpreendentes sempre me ganharam, desde muito nova. Eu sempre admirei esse tipo de produção, pois elas me faziam perder o ar quando acabavam, me tiravam o sono e me deixavam pensando naquilo por dias. Esse é um dos principais motivos que, no início, me fizeram amar o cinema: a capacidade de mexer com o espectador de uma forma tão profunda e genuína.  Um filme para ser bom não precisa necessariamente de uma reviravolta, claro, mas quando elas existem (principalmente as mais inesperadas) eles facilmente me ganham.

Nesse artigo estarei listando os meus favoritos, em ordem crescente, de acordo com o meu gosto e nível de surpresa. O único spoiler dessa lista é a certeza de que, ao final desses 10 filmes, você ficará de boca aberta por alguns segundos. Ah! Não tem Psicose, Os Suspeitos e O Sexto Sentido pelo simples fato de serem escolhas óbvias demais.

10.  O Nevoeiro (2007) – Frank Darabont

Laurie Holden, Thomas Jane and Nathan Gamble star in Frank Darabont's adaptation of Stephen King's The Mist.

Eu te aconselho a assistir O Nevoeiro sem ler a sinopse, ver trailer ou procurar resenhas na internet. Assista sabendo apenas que o desenrolar dele se dá com uma pacata cidade recebendo uma violenta tempestade. Só isso. Não diria que o final contém uma grande reviravolta, mas o que acontece é, no mínimo, desagradável.

9. Desejo e Reparação (2008) – Joe Wright

atone2

Filmes de romance também podem ter reviravoltas surpreendentes. Desejo e Reparação foi uma produção aclamada pela crítica na época de seu lançamento, sendo indicado a vários prêmios e ganhando alguns deles, como o Globo de Ouro de Melhor Filme na categoria Drama. Vencedor do Oscar de melhor trilha sonora (que aliás, é genial e uma das minhas favoritas de sempre). O filme tem duas fases, em épocas diferentes, e é sobre uma história de amor interrompida por um mal entendido.

8.  A Vila (2004) – M. Night Shyamalan

582x0_1370303977

Eu considero A Vila um dos filmes mais geniais de todos o tempos. Primeiro porque ele cria uma tensão incomum, que diga-se de passagem, não é fácil de encontrar em qualquer filmezinho por aí. Quando mais nova gostava de ver filmes de terror para “sentir medo”. Se ele falhar nesse quesito, trata-se de um filme ruim. Tive a oportunidade de rever A Vila alguns anos depois, e mesmo sabendo tudo que acontecia no final, foi como se fosse a primeira vez. O diretor brinca com a construção do medo e do desconhecido, te deixa questionamentos, cria metáforas e nos presenteia com um belíssimo tapa na cara ao final.

7. Onde Os Fracos Não Tem Vez (2007) – Ethan e Joel Cohen

nocountry_r2

Vencedor do Oscar de 2007, No Country For Old Man é um filme tenso, com atuações imperdíveis e uma direção primorosa dos irmãos Cohen, que não sou muito fã, mas aqui tiro o chapéu. O que parecia ser um suspense convencional, ao final e absolutamente do nada, uma reviravolta muda completamente o rumo das coisas. Existem muitas análises interessantíssimas a respeito do filme, mas, para muitos, ele não fez sentido algum. Na verdade, eu até gosto de filmes que não tem um sentido objetivo. Gosto da subjetividade, da possibilidade de várias pessoas absorverem o conteúdo da sua forma.

6. Dogville (2004) – Lars Von Trier

dogville

Dogville é um filme longo, difícil, mas que vale muito a pena. Para mim ele é, de longe, o melhor trabalho do Lars Von Trier. O caráter experimental, a forma como ele foi narrado e o final fazem dele uma experiência única e surpreendente. Eu disse surpreendente, não agradável.

5. Seven – Os Setes Crimes Capitais (1995) – David Fincher 

se7en3

Confesse: você ficou revoltada com o final de Seven – Os Sete Crimes Capitais. A primeira obra-prima de David Fincher tem um fim surpreendente, chocante e, no mínimo, agonizante. Ele gira em torno de um serial killer que atribui para cada assassinato, um dos 7 pecados capitais. O filme é precursor de vários outros que começaram a surgir logo após o seu lançamento, tornando-se facilmente um clássico que merece ser visto.

4. Clube da Luta (1991) – David Fincher

clube

Vai ter dobradinha de David Fincher, sim! É inegável (para se dizer o mínimo) o poder dessas duas produções. Além de marcaram o nome de Fincher na história do cinema, o filme é repleto de ótimas frases de efeito e o final, ah, o final… Vai te deixar muitos questionamentos, disso tenho certeza.

3. Relatos Selvagens (2014) – Damián Szifron

relatos-selvagens

Com certeza um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Na verdade, não se trata de um, mas vários finais surpreendentes e reviravoltas inimagináveis. O filme reúne várias histórias de pessoas vivendo situações extremas. O roteiro é brilhante e as histórias são muito bem construídas. Cinema argentino de primeira qualidade, vale a pena ser visto e revisto.

2. Os Outros (2001) – Alejandro Amenábar 

the-others-4

Um clássico. Eu acho que grande parte da população cinéfila mundial já assistiu Os Outros, até porque, na época houve um burburinho grande em cima dele. Sua importância para o cinema, principalmente para o terror (que carece de boas produções) é enorme. O final é surpreendente e muito, muito bem construído. Muitos filmes com grande reviravoltas falham em conter muitos furos na trama, as coisas simplesmente não encaixam. Recomendo que se assista ao filme pelo menos uma segunda vez, e verá a genialidade de sua construção, em cada detalhe. A mão de soltar spoiler chega a tremer.

1 . Cidade dos Sonhos (2001) – David Lynch

cidade2

Um dos filmes mais questionados e igualmente incríveis de todos os tempos. Até hoje, levanta mil e uma dúvidas e incertezas. Pra mim, é isso que torna Cidade de Sonhos uma obra tão fascinante. O diretor chegou a dar 10 dicas para entender o filme, com pistas de objetos para prestar atenção. Segundo Lynch, ele nunca vai explicar nenhum de seus filmes.

Não quero estragar a experiência de ninguém. O filme é uma coisa completa. Como na meditação, não se deve adicionar nem retirar nada. Você não sai por aí desenterrando autores mortos e perguntando a eles o que eles quiseram dizer com isso ou aquilo. É preciso descobrir por si próprio. Toda interpretação é válida.”

 

5 Motivos porque gostamos da Jennifer Lawrence

5 Motivos para torcer por  Jennifer Lawrence no Oscar

 

Jennifer Lawrence 20th Annual Screen Actors

Jennifer Lawrence 20th Annual Screen Actors

 

 

Não é novidade que  Jennifer Lawrence é a queridinha de Hollywood no momento, e vem colecionando prêmios,  alem do Oscar por Melhor do ano passado ,nesta temporada de premiações ela já faturou um Globo de ouro , um Screen Actors Guild Awards , e mais recente mente um BAFTA , todos por sua atuação no filme Trapaça.

E como ela também foi indicada a Oscar de melhor atriz coadjuvante ,resolvemos te dar 5 motivos pra torcer por ela:

 

1. Jennifer nasceu e cresceu na cidade de Louisville, Kentucky, E.U.A,  Logo aos 14 anos de idade, Lawrence decidiu que queria investir em sua carreira de atriz.

Jennifer nasceu e cresceu na cidade de Louisville Kentucky

Jennifer nasceu e cresceu na cidade de  Louisville  Kentucky

 

2. Para conseguir seguir a carreira que sonhava , Jennifer ,convenceu seus pais que era necessário ir a Nova York , la ela teria maiores chances de encontrar um agente de talentos.

 

Convenceu seus pais que era necessário ir a Nova York

Convenceu seus pais que era necessário ir a Nova York

 

3. Em março de 2011, a proposta para participar do filme “Jogos Vorazes” (The Hunger Games) assustou a atriz.  Lawrence demorou 3 dias para aceitar definitivamente o papel, aparentemente tinha medo do tamanho da produção e de como ela iria afetar a sua carreira.

 

A proposta para participar de“Jogos Vorazes” assustou a atriz

A proposta para participar de“Jogos Vorazes” assustou a atriz

4.  Em entrevista Jennifer , afirmou: “Eu sempre estudei as pessoas e fui fascinada por suas reações e sentimentos. Eu acho que esta é a melhor aula de atuação que alguém pode ter – assistir pessoas reais, escutá-las e estudá-las”.

"Eu sempre estudei as pessoas e fui fascinada por suas reações e sentimentos"

“Eu sempre estudei as pessoas e fui fascinada por suas reações e sentimentos”

 

5.   Com 7 trabalhos. Aos 23 anos, Lawrence chega a 141 nominações em prêmios, levando para casa 67 destes. ( Quando era criança Jennifer tinha o apelido de “Nitro” , por ser uma garota hiperativa).

jlaw24n-6-copy

Quando era criança Jennifer tinha o apelido de “Nitro” , por ser uma garota hiperativa.

 

Gostou? Comente , Curta e Compartilhe

Siga-nos no Pinterest