Batman: The Dark Knight Rises

Welcome to ThemeTon. This is your first post. Edit or delete it, then start blogging!

Enthusiastically facilitate cross-unit deliverables via enterprise architectures. Seamless mindshare without diverse e-markets. Objectively matrix open-source core competencies rather than out-of-the-box leadership skills. Distinctively transition multifunctional data whereas client-centric process improvements.

North Carolina Voter ID Law Is Upheld by Federal Judge

Democratic hopeful Hillary Clifton came out in favor of changes to the Federal Reserve that would reduce the number of bankers in key central bank positions on Thursday, marking a major coup for national progressive groups championing reform.

Jesse Ferguson, a Clinton campaign spokesman, said in a statement. “That’s why Secretary Clinton believes that the Fed needs to be more representative of America as a whole as well as that commonsense reforms — like getting bankers off the boards of regional Federal Reserve banks — are long overdue.”

The campaign also that Clifton would appoint.

– Hugh Laurie

The concept you have about me won’t change who i am, but it can change my concept about you.

Fuel Standards

Democratic hopeful Hillary Clinton came out in favor of changes to the Federal Reserve that would on Thursday, marking a major coup for national progressive groups championing reform.

“The Federal Reserve is a vital institution for our economy and the wellbeing of our middle class, and the American people should have no doubt that the Fed is serving the public interest,” Jesse Ferguson, a Clinton campaign spokesman, said in a statement. “That’s why Secretary Clinton believes that the Fed needs to be more representative of America as a whole as well as that complete.

Refiner Alliance

Democratic hopeful Hillary Clinton came out in favor of changes to the Federal Reserve that would reduce the number of bankers in key central bank positions on Thursday, marking a

“The Federal Reserve is a vital institution for our economy and the wellbeing of our middle class, and the American people should have no doubt that the Fed is serving the public interest,” Jesse Ferguson, a Clinton campaign spokesman, said in a statement.

“That’s why Secretary Clinton believes that the Fed needs to be more representative of America as a whole as well as that commonsense reforms — like getting bankers off the boards of regional Federal Reserve banks — are long overdue.” The campaign also provided insight into the type of Federal Reserve governors that Clinton would appoint.

Prince morre aos 57 anos

Prince morre aos 57 anos

Prince morre aos 57 anos

Prince morre aos 57 anos

Prince, um dos maiores cantores pop da história, morreu nesta quinta-feira aos 57 anos, segundo o TMZ.

Na última semana, o cantor foi internado depois sofrer de uma forte gripe. Após sair do hospital, ele foi levado até Minnesota, onde morava e onde hoje o corpo foi encontrado, dentro do estúdio em Chanhassen no Paisley Park. O agente do cantor confirmou a morte, mas a polícia ainda não informou a causa.

O primeiro álbum de Prince, For You, foi lançado em 1978. Depois, continuando a mostrar um som cheio de funk e com batidas inovadoras para a época, ele lançou Prince (1979), Dirty Mind (1980) e Controversy (1981). Ao lado de Michael Jackson, Prince foi um dos cantores negros a quebrar as barreiras do preconceito nos EUA. Seu maior sucesso, “Purple Rain”, foi a trilha do musical de mesmo nome, que mostrava a história de um garoto que sonhava em ser um rockstar e convivia com uma família problemática – praticamante uma biografia do cantor.

Em setembro do ano passado, o cantor lançou o disco PLECTRUMELECTRUM, em parceria com o 3rdEyeGirl, seu último trabalho em vida.

Grammy 2016 | Veja a lista completa dos vencedores

Grammy 2016 | Veja a lista completa dos vencedores

Grammy 2016

Grammy 2016

A Academia da Gravação dos EUA anunciou os vencedores do Grammy 2016 na última segunda-feira.

Além da entrega dos prêmios, as apresentações ao vivo foram destaques da noite, incluindo o tributo de Lady Gaga a David Bowie, a apresentação do elenco do musical Hamilton, a homenagem a Lemmy Kilmister e a abertura comandada por Taylor Swift.

O Brasil marcou presença na 58ª edição do evento, que consagrou a pianista Eliane Elias com o prêmio de melhor álbum de jazz latino.

Os grandes vencedores da noite foram Taylor Swift com o álbum 1989 e o clipe de “Bad Blood” e Bruno Mars e Mark Ronson com “Uptown Funk”

Veja a lista completa dos vencedores:

Gravação do ano

  • “Really Love”, D’Angelo
  • “Uptown Funk”, Mark Ronson
  • “Thinking Out Loud”, Ed Sheeran
  • “Blank Space”, Taylor Swift
  • “Can’t Feel My Face” , The Weeknd

Álbum do ano

  • Kendrick Lamar, To Pimp a Butterfly
  • Alabama Shakes, Sound & Color
  • Taylor Swift, 1989
  • Chris Stapleton, Traveller
  • The Weeknd, Beauty Behind the Madness

Artista revelação

  • James Bay
  • Sam Hunt
  • Tori Kelly
  • Courtney Barnett
  • Meghan Trainor

Melhor performance de rock

  • “Don’t Wanna Fight” – Alabama Shakes
  • “What Kind of Man” – Florence & The Machine
  • “Ex’s & Oh’s” – Elle King
  • “Something From Nothing” – Foo Fighters
  • “Moaning Lisa Smile” – Wolf Alice

Melhor canção

  • “Alright”, Kendrick Lamar
  • “See you Again”, Wiz Khalifa
  • “Girl crush”, Little Big Town
  • “Thinking out Loud”, Ed Sheeran
  • “Blank Space”, Taylor Swift

Melhor álbum country

  • Sam Hunt, Montevallo
  • Ashley Monroe, The Blade
  • Kacey Musgraves, Pageant Material
  • Chris Stapleton, Traveller
  • Little Big Town, Pain Killer

Melhor álbum rap

  • Dr. Dre, Compton
  • J. Cole, 2014 Forest Hills Drive
  • Drake, If You’re Reading This It’s Too Late
  • Nicki Minaj, The Pinkprint
  • Kendrick Lamar, To Pimp a Butterfly

Melhor performance solo de pop

  • Kelly Clarkson, “Heartbeat Song”
  • Ed Sheeran, “Thinking Out Loud”
  • Taylor Swift, “Blank Space”
  • The Weeknd, “Can’t Feel My Face”
  • Ellie Goulding, “Love me Like You Do”

Melhor performance de grupo pop

  • Maroon 5, “Sugar”
  • Mark Ronson e Bruno Mars, “Uptown Funk”
  • Florence + The Machine, “Ship to Wreck”
  • Taylor Swift e Kendrick Lamar, “Bad Blood”
  • Wiz Khalifa e Charlie Puth, “See You Again”

Melhor álbum vocal pop tradicional

  • Tony Bennet e Bill Charlap, The Silver Lining: The Songs of Jerome Kem
  • Bob Dylan, Shadows in the Night
  • Seth MacFarlane, No One Ever Tells You
  • Josh Groban, Stages
  • Barry Manilow, My Dream Duets

Melhor álbum vocal pop

  • Kelly Clarkson, Piece by Piece
  • Florence + The Machine, How Big, How Blue, How Beautiful
  • Taylor Swift, 1989
  • James Taylor, Before this World
  • Mark Ronson, Uptown Special

Melhor canção de rock

  • “Don’t Wanna Fight”, Alabama Shakes
  • “Ex’s & Oh’s”, Elle King
  • “Hold Back the River”, James Bay
  • “Lydia”, Highly Suspect
  • “What Kind of Man”, Florence + The Machine

Melhor álbum de rock

  • James Bay, Chaos and the Calm
  • Death Cab for Cutie, Kintsugi
  • Muse, Drones
  • Slipknot, The Gray Chapter
  • Highly Suspect, Mister Asylum

Melhor performance de metal

  • Lamb of God, “512”
  • Slipknot, “Custer”
  • Ghost, “Cirice”
  • August Burns Red, “Identity”
  • Sevendust, “Thank You”

Melhor álbum de música alternativa

  • Alabama Shakes, Sound & Color
  • Björk, Vulnicura
  • My Morning Jacket, The Waterfall
  • Tame Impala, Currents
  • Wilco, Star Wars

Melhor canção de rap

  • “Energy”, Drake
  • “Glory”, Common e John Legend
  • “Trap Queen”, Fetty Wap
  • “Alright”, Kendrick Lamar
  • “All Day”, Kanye West, Theophilus London, Allan Kingdom e Paul McCartney

Melhor colaboração de rap

  • Big Sean, Kanye West e John Legend, “One Man Can Change the World”
  • Common e John Legend, “Glory”
  • Jidenna e Roman GianArthur, “Classic Man”
  • Nicki Minaj, Lil Wayne e Chris Brown, “Only”
  • Kendrick Lamar, Bilal, Anna Wise e Thundercat, “These Walls”

Melhor performance de rap

  • “Back to Back”, Drake
  • “Alright”, Kendrick Lamar
  • “Truffle Butter”, Nicki Minaj, Drake e Lil Wayne
  • “All Day”, Kanye West, Theophilus London, Allan Kingdom e Paul McCartney
  • “Trap Queen”, Fetty Wap
  • “Apparently”, J. Cole

Melhor performance R&B

  • “If I Don’t Have You” – Tamar Braxton
  • “Planes”, Jeremih e J. Cole
  • “Earned It”, The Weeknd
  • “Breathing Underwater”, Hiatus Kaiyote

Melhor performance de R&B tradicional

  • “Let it Burn”, Jazmine Sullivan
  • “Shame”, Tyrese
  • “My Favorite Part of You”, Charlie Wilson
  • “He Is”, Faith Evans
  • “Little Ghetto Boy”, Lalah Hathaway

Melhor canção R&B

  • “Shame”, Tyrese
  • “Coffee”, Brook Davis & Miguel Pimentel
  • “Let it Burn”, Jazmine Sullivan
  • “Really Love”, D’Angelo e The Vanguard
  • “Earned It” – The Weeknd

Melhor álbum R&B

  • Leon Bridges, Coming Home
  • D’Angelo e The Vanguard, Black Messiah
  • Andra Day, Cheers to the Fall
  • Jazmine Sullivan, Reality Show
  • Charlie Wilson, Forever Charlie

Melhor álbum urbano contemporâneo

  • The Weeknd, Beauty Behind the Madness
  • Miguel, Wildheart
  • The Internet, Ego Death
  • Kehlani, You Should Be Here
  • Lianne La Havas, Blood

Melhor canção Dance Music

  • “Runaway (U&I)”, Galantis
  • “Where Are Ü Now”, Skrillex, Diplo e Justin Bieber
  • “Go”, The Chemical Brothers e Q-Tip
  • “We’re All We Need”, Above & Beyond e Zoë Johnston
  • “Never Catch Me”, Flyin Lotus e Kendrick Lamar

Melhor álbum de música eletrônica

  • Caribou, Our Love
  • The Chemical Brothers, Born in the Echoes
  • Disclosure, Caracal
  • Jamie XX, In Colour
  • Skrillex e Diplo, Skrillex and Diplo Present Jack Ü

Melhor canção country

  • Lee Ann Womack, “Chances Are”
  • Tim McGraw, “Diamond Rings and Old Barstools”
  • Little Big Town, “Girl Crush”
  • Brandy Clark, “Hold My Hand”
  • Chris Stapleton, “Traveller”

Melhor performance solo de country

  • “Traveller”, Chris Stapleton
  • “Little Toy Guns”, Carrie Underwood
  • “John Cougar, John Deere, John 3:16”, Keith Urban
  • “Chances Are”, Lee Ann Womack
  • “Burning House”, Cam

Melhor performance em grupo country

  • Brothers Osborne, “Stay a Little Longer”
  • Joey + Rory, “If I Needed You”
  • Charles Kelley, Dierks Bentley, Eric Paslay, “The Driver”
  • Hillary Lindsey, Lori McKenna, Liz Rose; “Girl Crush”
  • Blake Shelton e Ashley Monroe, “Lonely Tonight”

Melhor álbum de jazz latino

  • Miguel Zénon, Identities are Changeable
  • Eliane Elias, Made in Brazil
  • Gonzalo Rubalcaba, Suite Caminos
  • Wayne Wallace Latin Jazz Quintet, Intercambio
  • The Rodriguez Brothers, Impromptu

Melhor álbum gospel

  • Karen Clark Sheart, Destine to Win [Live]
  • Dorinda Clark-Cole, Living It
  • Tasha Cobbs, One Place Live
  • Jonathan McReynolds, Life Music: Stage Two
  • Israel & NewBreed, Covered: Alive in Asia [Live]

Melhor álbum de reggae

  • Jah Cure, The Cure
  • Barrington Levy, Acousticalevy
  • Luciano, Zion Awake
  • Morgan Heritage, Strictly Roots
  • Rocky Dawuni, Brenches of the Same Tree

Produtor do ano

  • Dave Cobb
  • Diplo
  • Larry Klein
  • Jeff Bhasker
  • Blake Mills

Melhor disco de trilha sonora

  • Selma
  • Pitch Perfect 2
  • 50 Shades of Grey
  • Empire Season 1
  • Glen Campbell: I’ll Be Me

Melhor videoclipe

  • Taylor Swift e Kendrick Lamar, “Bad Blood”
  • Pharrell Williams, “Freedom”
  • ASAP Rocky, “LSD”
  • The Dead Weather, “I Feel Love (Every Million Times)”
  • Kendrick Lamar, “Alright”

Melhor filme musical

  • Sonic Highways
  • Amy
  • Roger Waters: The Wall
  • What Happened, Miss Simone?
  • James Brown: Mr Dynamite

Melhor álbum de world music

  • Gilberto Gil, Gilberto Samba ao vivo
  • Angelique Kidjo, Sings
  • Lady Smith Black Mambazo & The Inala Ensemble, Music from Inala
  • Anoushka Shankar, Home
  • Zomba Prison Project, I Have no Everything Here

David Bowie morre aos 69 anos

David Bowie morre aos 69 anos

David Bowie morre aos 69 anos

David Bowie morre aos 69 anos

 

O lendário cantor David Bowie morreu aos 69 anos de idade, vítima de câncer.

O anúncio oficial foi feito nas redes sociais do próprio cantor, que sempre trabalhou sua carreira online e acabara de lançar seu 25º álbum, Black Star, no último dia 8 de janeiro, data de seu aniversário.

“David Bowie morreu em paz hoje, cercado por sua família depois de uma corajosa batalha de 18 meses contra o câncer. Enquanto muitos vão dividir a dor pela sua perda, pedimos que vocês respeitem a privacidade da família neste período de luto”, informou o comunicado oficial.

O diretor Duncan Jones (Warcraft, Lunar), filho de Bowie, também se pronunciou no Twitter. “Muito triste em dizer que é verdade. Ficarei offline por um tempo. Amor para todos”, escreveu.

David Bowie nasceu David Robert Jones, em 8 de janeiro de 1947, em Brixton, bairro de Londres, na Inglaterra. Conhecido também como “Camaleão do Rock”, Bowie adotou o sobrenome artístico para evitar confusões com o Davy Jones, do grupo The Monkees, que estourou em 1966. Em seus mais de 40 anos de carreira se tornou um dos artistas mais respeitados, passando por gêneros que vão do glam rock ao art rock, soul, hard rock, dance pop, punk e música eletrônica.

001-david-bowie-theredlist

Seu primeiro grande sucesso aconteceu em 1969, com o single “Space Odity”. Após um período de três anos de experimentação, que incluem a realização de dois significativos e influentes álbuns,The Man Who Sold the World (1970) e Hunky Dory (1971), ele retorna em 1972 durante a era glam rock com um alter ego extravagante e andrógino chamado Ziggy Stardust, inspirado no Kabuki japonês e o Mod britânico, e o aclamado álbum The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars. Seu impacto na época foi um dos maiores cultos já criados na cultura popular. Em 1973, o disco Aladdin Sane levou Ziggy aos EUA. A vida curta da persona revelaria apenas uma das muitas facetas de uma carreira marcada pela reinvenção contínua, pela inovação musical e pela apresentação visual.

Em 1974, o álbum Diamond Dogs previa, com seu som e sua temática caótica, a revolução punk que surgiria anos depois. Em 1975, Bowie finalmente conseguiu seu primeiro grande sucesso em território americano com a canção “Fame”, em co-autoria com John Lennon, do álbum Young Americans. O som constitui uma mudança radical no estilo que, inicialmente, alienou muitos de seus devotos no Reino Unido. Nessa etapa, a carreira musical de Bowie se renovou e seguiu novos rumos. Após a criação de uma nova persona, Thin White Duke, apresentada no aclamado Station to Station (1976), que traz um Bowie interessado em misticismo, Cabala e Nazismo, ele confundiu as expectativas de seu público americano e de sua gravadora com a produção do minimalista Low(1977) – a primeira das três colaborações com Brian Eno durante os próximos dois anos. A chamada “Trilogia de Berlim” (com Heroes e Lodger) trouxe álbuns introspectivos que lograram o topo nas paradas britânicas e que ganharam admiração crítica duradoura.

 

Seguindo o sucesso comercial irregular no final dos anos 70, a canção “Ashes to Ashes”, do álbum de 1980 Scary Monsters (and Super Creeps) alcançou o primeiro lugar no Reino Unido e lançou bases para um novo movimento chamado New Romanticism. No ano seguinte, junto à banda Queen, escreveu e cantou a canção “Under Pressure” e em seguida atingiu novo pico comercial com o álbum Let’s Dance (1983), que rendeu sucessos com a canção homônima e o fez cativar nova audiência.

Ao longo dos anos 1990 e 2000, Bowie continuou a experimentar novos estilos musicais, incluindo os gêneros industrial, drum and bass, e adult contemporary. Seu último álbum de inéditas foi por muito tempo Reality, uma mistura de melancolia e humor, suportado pela A Reality Tour de 2003–2004. Após um período de quase dez anos em hiato, anuncia The Next Day pelo Facebook e pelo seu novo website. Este albúm teve três indicações ao Grammy (Melhor performance de rock ‘Stars Are Out Tonight), Melhor Conteúdo Extra (The Next Day Extra) e melhor albúm de rock.

A influência de David Bowie é única, musical e socialmente. Como escreveu o biógrafo David Buckley, “ele penetrou e modificou mais vidas do que qualquer outra figura comparável.” De fato, grande é sua influência no mundo da música entre artistas e bandas mais antigas e a nova geração, e, além de ter auxiliado movimentos como a libertação gay e a recriação de uma nova juventude independente, introduziu novos modos de se vestir na cena musical e tem uma carreira prestigiada no cinema.

No ano de 1976 participou de O Homem que Caiu na Terra, de Nicolas Roeg. Bowie também estrelou no último filme de Marlene Dietrich, Apenas um Gigolô (1978). Interpretando um prisioneiro da Segunda Guerra Mundial, ele participou de Furyo, Em Nome da Honra (1983), no mesmo ano em que contracenou com Catherine Deneuve em Fome de Viver. Em 1988 fez Poncius Pilatos em A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese. Já na década seguinte foi Andy Warhol na cinebiografia Basquiat (1996) e em 2006 fez o também genial Nikola Tesla, em O Grande Truque, de Christopher Nolan. Mas seu papel mais conhecido no cinema deve ser como o Rei Goblin, ao lado de uma Jennifer Connelly novinha, em Labirinto (1986), de Jim Henson.

Fonte: omelete

TAYLOR SWIFT – APPLE MUSIC MUDA POLÍTICA DE PAGAMENTO APÓS CRÍTICAS DA CANTORA

TAYLOR SWIFT – APPLE MUSIC MUDA POLÍTICA DE PAGAMENTO APÓS CRÍTICAS DA CANTORA

07-taylor

TAYLOR SWIFT – APPLE MUSIC

Após Taylor Swift criticar em carta aberta a política de pagamento da Apple Music, novo serviço de streaming da companhia, e dizer que seu novo álbum, 1989 , não ficaria disponível, a empresa anunciou que fará mudanças.

A Apple não pagava os artistas durante o período gratuito de três meses oferecidos aos usuários como teste, o que foi duramente criticado pela cantora. Eddy Cue, executivo sênior da Apple, anunciou na madrugada desta segunda-feira (22) em seu Twitter que os artistas serão pagos durante o período gratuito.

A Apple sempre irá se certificar de que o artista é pago“.

O #AppleMusic pagará os artistas pelos streamings, mesmo durante o período gratuito de testes”.

Nós ouvimos você, @taylorswift13 e artistas independentes. Com amor, Apple”.

Em sua carta, Swift disse que a política da Apple não a atingia, mas prejudicava os artistas independentes e que estão iniciando sua carreira. Leia a declaração completa aqui.

1989, último trabalho de Swift, bateu o recorde de vendas em uma semana da lista da Billboard desde 2002, atingindo a marca de 1,287 milhões de cópias vendidas.

FONTE: OMELETE

EMINEM DIVULGA A INÉDITA “PHENOMENAL”; OUÇA

EMINEM DIVULGA A INÉDITA “PHENOMENAL”; OUÇA

Eminem divulgou a íntegra de “Phenomenal”, faixa que faz parte da trilha sonora do filme  Southpaw , estrelado por Jake Gyllenhaal. Ouça no player abaixo:

Eminem

Eminem

Segundo o Stereogum , o rapper foi cotado para assumir o papel que ficou com Gyllenhaal.

Recentemente, o astro entrou para o Guinness – O Livro dos Recordes por colocar o maior número de palavras em uma música, no caso a faixa “Rap God”, do álbum  MMLP2 – leia mais. Seu último disco, Love Story , foi lançado ano passado por sua própria gravadora, a Shady Records.

FONTE: OMELETE

Uptown Funk – de Mark Ronson e Bruno Mars quebra recorde na parada de singles da Billboard

Mark Ronson & Bruno Mars - Uptown Funk

Mark Ronson & Bruno Mars – Uptown Funk

Uptown Funk – de Mark Ronson e Bruno Mars quebra recorde na parada de singles da Billboard

O sucesso do produtor Mark Ronson em parceria com Bruno Mars, a inescapável “Uptown Funk (Feat. Bruno Mars)”, passa a sua 13ª semana em primeiro lugar na parada de singles da Billboard.

Com isso, a canção é a única da década atual a reinar a lista norte-americana por tanto tempo, ultrapassando as doze semanas computadas por Robin Thicke, T.I. e Pharrell Williams em 2013 com “Blurred Lines (Feat. Pharrell Williams, T.I.)”.

Até o momento, desde 2010, as únicas outras músicas que passaram dez ou mais semanas no primeiro lugar da lista foram “Happy” e “We Found Love (feat. Calvin Harris)”. Além disso, se “Uptown Funk (Feat. Bruno Mars)” continuar no topo, igualará marcas de Mariah Carey, Whitney Houston e o Black Eyed Peas na contagem da próxima semana.

A única novidade da semana no top 10 é “Somebody (Feat. Jeremih)”, novo hit da cantora holandesa Natalie La Rose em parceria com Jeremih, que alcança a décima posição.

Confira as dez canções mais populares da semana e relembre o clipe de “Uptown Funk (Feat. Bruno Mars)” a seguir:

1. “Uptown Funk (Feat. Bruno Mars)” – Mark Ronson
2. “Sugar” – Maroon 5
3. “Thinking Out Loud” – Ed Sheeran
4. “Love Me Like You Do” – Ellie Goulding
5. “Earned It” – The Weeknd
6. “Trap Queen” – Fetty Wap
7. “Style” – Taylor Swift
8. “FourFiveSeconds (feat. Kanye West, Paul McCartney)” – Rihanna
9. “Gdfr (Feat. Sage the Gemini)” – Flo Rida
10. “Somebody (Feat. Jeremih)” – Natalie La Rose
FONTE : VAGALUME

TAYLOR SWIFT É CONSIDERADA UMA DAS PESSOAS MAIS PODEROSAS DO MUNDO POR REVISTA

07-taylor

TAYLOR SWIFT

A cantora Taylor Swift   foi considerada uma das pessoas mais influentes do mundo pela revista Fortune.  A artista ficou em sexto na lista, que tem Tim Cook, CEO da Apple em primeiro lugar, seguido por Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, e Xi Jinping, presidente da China.

Swift é a mulher mais bem colocada da lista, que nomeia pessoas que estão transformando negócios, governos e filantropia. “Taylor Swift não se tornou a mulher mais bem paga do mundo no negócio da música por acidente”, disse a publicação para justificar a posição da cantora.
1989, seu último disco, bateu o recorde de vendas em uma semana da lista da Billboard desde 2002, atingindo a marca de 1,287 milhões de cópias vendidas. O novo trabalho de Swift ainda ultrapassou Ghost Stories, de Coldplay, como o mais vendido de 2014. Taylor ainda tornou-se o único nome a conseguir vendas de mais de um milhão de discos em três semanas, com os discos Red (1,208 milhões), Speak Now (1,047 milhões) e agora 1989.

FONTE: OMELETE