CRÍTICA – Esquadrão Suicida: DC decepciona (mais uma vez) .


CRÍTICA – Esquadrão Suicida: DC decepciona (mais uma vez)

maxresdefault
CRÍTICA – Esquadrão Suicida: DC decepciona (mais uma vez)

Vamos lá. Me envolver nessa briguinha de fãs da DC x fãs da Marvel não é fácil. Não sou fã de um e nem de outro, diga-se de passagem. Não leio os quadrinhos de nenhum desses, estou aqui para escrever sobre os filmes apenas. Só pra deixar claro.

maxresdefault
Margot Robbie interpreta Arlequina em Suicide Squad

Esquadrão Suicida (2016) era uma grande promessa para 2016, principalmente pelo eletrizante trailer que foi lançado nas redes sociais em Janeiro de 2016. Confesso, também fiquei muito curiosa pra ver. Tentei duas vezes ir ao cinema assistí-lo na semana de estreia, mas sem sucesso, pois as salas já estavam todas cheias. Acredito que todo esse burburinho se deve ao marketing, que diga-se de passagem, também tem prós e contras.

Os prós: todo o material de divulgação parecia promissor. A montagem do trailer ao som de Bohemian Rhapsody do Queen, as coletivas com os atores e a divulgação nas redes sociais, tudo cooperou para que Esquadrão Suicida fosse sucesso de público, e é inegável que foi um ótimo blockbuster em 2016, quebrando recordes que eram de Guardiões da Galáxia (Marvel, 2014) e arrecadando mais de U$ 135 milhões até agora.

esquadrão-suicida-prieiro-trailerOFICIAL
Suicide Squad (2016)

Os contras: propaganda enganosa. Mais ou menos o que aconteceu com Batman vs Superman. O filme não tem NADA do que foi visto nos trailers, nas propagandas, na internet. É uma confusão só. Parece que tiraram algumas cenas e montaram um filme diferente. É bem estranho, pra se dizer o mínimo.

O filme tem uns cortes tão estranhos que parece que os editores saíram picotando algumas cenas para diminuir o tempo dele. Além disso, a DC parece ter escutado o público quando tentou inserir (de modo muito grotesco, por sinal) um tom mais leve e descontraído, adicionando piadas esquisitas entre uma cena e outra. Ficou extremamente forçado, na minha opinião. Acredito, sim, que a DC precisa aliviar o tom, mas não dessa forma.

A melhor coisa em Suicide Squad são Deadshot (Will Smith) e Arlequina (Margot Robbie). Não gosto do curinga de Jared Leto (que a propósito, mal aparece). A Waller também tem seus momentos, mas isso é mais por causa da atuação brilhante de Viola Davis do que qualquer outro motivo. E essa Enchantress? Na minha opinião, uma péssima antagonista. A forma como ela foi apresentada não me fez detestá-la (ou criar empatia), não me fez torcer para ela se dar mal, não me fez ter medo dela… Não me fez sequer me importar com ela o filme inteiro. E o mesmo vale para o Flag, que pelo visto devia ser um dos personagens principais.

willsmith_
Will Smith interpreta Deadshot em Suicide Squad

O maior problema de Batman vs Superman não foi o tom sombrio, mas sim, o roteiro fraquíssimo. Tanto que em Esquadrão Suicida o tom empregado foi mais divertido, mas sem um bom roteiro a história não tem força. E assim nasce mais um filme problemático da DC.

Mas tivemos coisas boas também. A trilha sonora é muito amor, a apresentação dos personagens foi caprichada e se você busca entretenimento, Esquadrão Suicida cumpre seu papel. Mas, infelizmente, não passa de mais um filme mediano cheio de problemas.

Leia Nossas Critícas

Previous Sony confirma evento para apresentar o novo PlayStation 4
Next Rogue One: Uma História Star Wars ganha novo trailer com Darth Vader
  • Ramon Zarbinati

    Só acho que o pessoal tem que parar de comparar DC com Marvel. Todos os filmes da Marvel tem suas piadas ok ? mais o publico acha que a DC também tem que ter isso, e se não tem…. O filme não agrada.
    Todos os filmes tem seus Prós e Contras e isso é fato. E outra coisa o filme é Esquadrão Suicida e não Esquadrão Coringa 😉

    • Oi, Ramon!
      A comparação sempre vai existir. São duas empresas do mesmo segmento, é como comparar Ios e Android, Mozila e Google Chrome, Coca-Cola e Pepsi. E isso é bom, pois faz com que tanto a Marvel quanto a DC se empenhem cada vez mais para serem melhores. Quem ganha somos nós, não acha?

      Um abraço!