[CRÍTICA] Fragmentado marca o retorno de M. Night Shyamalan


The Breakdown

6.0

Responsável pela direção de alguns dos filmes favoritos de muita gente (O Sexto Sentido, Corpo Fechado, Sinais, A Vila), M. Night Shyamalan ressurge das cinzas com um novo suspense. Eu estava na expectativa pela estreia porque, vocês sabem, o diretor passou por uma fase bem ruim, se comparada aos anos de ouro de sua carreira. Btw, meu favorito é A Vila, um filme que explora muito bem a questão do desconhecido, o medo como instrumento de poder e (SPOILER!) faz o espectador de trouxa igual o povo do vilarejo.

Pois bem. O filme é sobre Kevin (James McAvoy), um cara que possui 23 personalidades distintas em seu corpo, conseguindo alterná-las quimicamente no organismo com apenas a força da mente. Logo no início do filme, ele realiza o sequestro de três garotas em um estacionamento, que passam a viver em um cativeiro conhecendo todas as múltiplas personalidades de Kevin enquanto tentam escapar dali.

Nos primeiros 40 minutos de filme tudo ia bem. Tensão bem estabelecida, personagens muito bem construídos e de forte valor para o desenrolar dos fatos, boa premissa. Porém, em dado momento o filme começou a me deixar incomodada. Eu não gostei da forma com que o diretor começou a empregar piadinhas para quebrar  o ritmo, achei que não cabia aqui. Percebo uma clara tentativa de alívio cômico para tornar a experiência um pouco mais mainstream, acredito que o diretor andou sentindo falta de seus dias de blockbuster.

Uma piada ou duas tudo bem, mas o negócio meio que desanda e as coisas começam a se tornar engraçadinhas demais, o que empobrece o enredo e tira o peso do filme, que até então estava bem tenso. Quanto mais o clímax se aproximava, mais o diretor tentava recuperar o tom mais sombrio e tenso que o momento pedia, mas para mim, sem sucesso.

É inegável que JAMES MCAVOY VALE O FILME! Mesmo que não tenhamos conhecido todas as 23 facetas de Kevin (precisaríamos de pelo menos 4 horas de filme ou mais), a atuação de McAvoy empolga e surpreende. Outra grande surpresa vem de Anya Taylor Joy, que já tinha me chamado a atenção em A Bruxa e aqui interpreta uma das garotas sequestradas.

Não vou negar: eu me decepcionei. Talvez por ter criado tantas expectativas e não tê-las correspondidas, não sei. Acho que o tom empregado em alguns momentos tirou a tensão do filme e acabou estragando toda a experiência, que poderia ter sido inesquecível. Quanto mais visual ele se tornava, mas as coisas desandavam.

Antes de começar com os spoilers, quero deixar um recadinho importante pra você que quer extrair o máximo de coisas de Fragmentado. Assista Corpo Fechado, filme de 2000. Faz isso.

!!! SPOILER: A partir desse ponto será discutido o final do filme. Se não viu, não leia!!!

Ao final do filme, depois dos créditos, eis que surge Bruce Willis falando de um caso que envolvia um tal de Mr. Glass há 15 anos atrás. Na hora eu tive a sensação de estar perdendo algo. Imaginei que fosse alguma referência que não acrescentava nada para a narrativa, já que aparecia depois dos créditos. Chegando em casa, quando fui ler sobre, descobri que o filme é um spin-off de CORPO FECHADO, de 2000, filme com Bruce Willis e Samuel L Jackson!

Eu não tinha assistido Corpo Fechado e não sabia nada a respeito. Me encontro agora super arrependida de não ter lido nada a respeito antes, porque estava com medo de spoilers. Bom, esse spoiler seria muito bem vindo. 🙁

Resumindo, Fragmentado é um spin-off de Corpo Fechado, ou seja: os dois filmes fazem parte do mesmo universo. No último  minuto, o diretor ressignifica todo o filme, dando lugar para muitas explicações, dúvidas e teorias.  Em Corpo Fechado, para quem não viu ou não lembra, um desastre de trem choca os Estados Unidos, onde todos morrem mas apenas um sobrevive (o personagem de Bruce Willis). Buscando explicações sobre o ocorrido, ele encontra Elijah Price (Samuel L. Jackson), estranho que apresenta uma explicação bizarra para o fato.

A teoria é de que talvez o acidente que ativou os poderes do Bruce Willis em Corpo Fechado foi o mesmo que matou o pai do Kevin, porque quando o Bruce Willis sente a presença de um garoto, aquele garoto pode ser o Kevin mais novo, que acabara de perder o pai. Será? Inclusive, quando o Kevin está se transformando na fera pela primeira vez, ele vai até uma estação de trem e deixa um buquê de flores.

De qualquer forma, a experiência não foi tão espetacular para mim como para quem era fã do universo de Corpo Fechado, por exemplo, que deve ter levado um baita susto. Fragmentado é um bom suspense, que parte de uma boa premissa, mas é cheio de problemas e falhas que empobrecem a experiência final. O universo unindo dois filmes (no caso três, pois Shyamalan já divulgou que se trata de uma trilogia e já está trabalhando no terceiro filme) mesmo havendo 15 anos de diferença entre eles é muito interessante e vale a experiência.

 

Previous The Vanishing of Ethan Carter - Mistério de altíssimo nível!
Next Final Fight - o melhor do Beat-'Em-Up