DIVERTIDA MENTE | A PERFEITA UNIÃO ENTRE INTELIGÊNCIA E CRIATIVIDADE


Sabe aquelas situações em que você tem que escolher entre vários tipos de filme? Um é sobre guerra, com muito tiro, sangue e cabeças rolando pelo chão. O outro, sobre um homem e uma mulher que se odeiam, mas no final percebem que se amam. Diante de tantas opções, muitas vezes acabo ficando com aquele dos brinquedos que falam e precisam enfrentar as vilanias de um urso rosa que cheira a morangos.

Pois é, eu sou fã de desenhos e animações… Tá, admito: sou absolutamente fanático! E agora adicionei um novo na minha lista de prediletos: Divertida Mente. A nova produção da Pixar é só mais uma evidência de como a criatividade do estúdio permanece impressionante e inigualável.

IMG_Insideout_002
As emoções de Divertida Mente

Riley é uma garota de 11 anos que se muda com a família de Minnesota para São Francisco. Na cabeça dela, existem “mini pessoas”, personificações das principais emoções do ser humano: Alegria, Tristeza, Raiva, Nojinho e Medo. São esses “bichinhos” que precisam ajudar a menina a enfrentar a nova escola, a saudade dos antigos amigos e todas as outras mudanças da sua nova vida.

O visual é recheado de cores, criando cenários fantásticos um atrás do outro. Todas as cores selecionadas fazem sentido: o personagem da Raiva é vermelho e solta fogo pela cabeça quando muito irritado, Alegria é luminosa e amarela, enquanto Tristeza é inteiramente azul. Até para diferenciar o mundo de “dentro” e de “fora” foi aplicada uma lógica: enquanto São Francisco e todo o universo exterior se revelam mais monocromáticos, as cores da mente da garota são vibrantes.

IMG_Insideout_004

O incrível é como vários conceitos que existem em nossas mentes são inteligentemente adaptados. O longa-metragem consegue mostrar como esquecemos alguns acontecimentos do passado, o que é determinante na construção de nossa própria personalidade, e até mesmo por que aquelas músicas-chiclete não saem da nossa cabeça. Esses são só alguns exemplos. Como a história é composta por ideias e um mundo totalmente abstrato, o filme trabalha analogias com a vida real, e o faz de maneira impecável e original!

Interessante também que os acontecimentos não se passam somente na cabeça de Riley, como muitos poderiam imaginar. A todo tempo a trama reveza perfeitamente entre o mundo interior e exterior, e assim o público pode perceber como um afeta o outro diante de uma determinada situação.

IMG_Insideout_001

Enfim, eu me apaixonei tanto por Divertida Mente que, no início, pensei em escrever um longo texto, com o intuito de caracterizar todos os lugares e personagens e relatar de forma minuciosa a história principal. Inclusive o meu primeiro rascunho continha um inocente parágrafo (sem spoilers) no qual eu contava a bela mensagem do roteiro. E então percebi que isso seria um erro.

Eu fui ao cinema sem muita noção do que esperar. Os próprios trailers propositalmente não explicam muito bem qual é a sinopse. E isso faz muita diferença. É muito mais divertido descobrir a aventura e se surpreender lá na hora! Por isso tratei de dizer apenas o básico da história e alguns pormenores que justificam o brilhantismo da animação.

IMG_Insideout_006

Basta dizer que Divertida Mente apresenta personagens muito além de carismáticos, desperta diversas sequências de risadas e surpresas, e propõe uma viagem encantadora ao nosso interior e à nossa memória. Há cenas muito emocionantes e dignas de te levar às lágrimas. As crianças vão gostar com certeza, mas talvez seja melhor apreciado pelos adultos.

Após assistir, é inevitável sair do cinema sem pensar em que emoção está no controle da sua cabeça em tal momento, sem recordar de lembranças antigas da sua infância e adolescência, sem refletir sobre si mesmo e seus próprios sentimentos.

Não há texto que consiga colocar em palavras as sensações proporcionadas. E é bem isso mesmo: mais do que só assistir e curtir, esse filme você precisa sentir e se emocionar.

IMG_Insideout_007

Previous HOMEM-ARANHA | MARVEL CONFIRMA NOVO ATOR E DIRETOR
Next ESQUADRÃO SUICIDA | CARA DELEVINGNE RECLAMA DE SEXISMO NOS FILMES DE SUPER-HERÓI