Artigo: O melhor e o pior da 10a temporada de “The X-Files”


Artigo: O melhor e o pior da 10a temporada de “The X-Files”

 

Os seis novos episódios de X-Files demoraram a chegar, mas não foram (nem de longe) suficientes para matar as saudades de Mulder e Scully. Os dois agentes estavam fora das telas desde “Eu Quero Acreditar”, filme lançado em 2008 que deixou grande parte dos fãs da série insatisfeitos com o desfecho dado aos personagens. Finalmente, depois de diversas negociações malsucedidas para a realização de um terceiro filme, a emissora, o criador e os atores chegaram em um acordo para a produção de uma temporada reduzida da série.

Como sempre em The X-Files, foi uma temporada permeada por altos e baixos. Mesmo nas melhores épocas do seriado, era comum assistir um episódio incrível como “Pusher” (S03E17) e, na semana seguinte, encontrar um desastre como “Teso dos Bichos” (S03E18). Em uma temporada com 24 episódios, como foram a maioria das temporadas da série, essas variações de qualidade eram aceitáveis e até esperadas. No entanto, em um espaço de tempo tão reduzido como o de seis episódios, todos deveriam manter o mesmo padrão, mesmo que alguns avancem a mitologia da série e outros sejam episódios no formato “monstro da semana”.

X-Files

O ponto alto da nova temporada foi, com certeza, o episódio cômico “Mulder and Scully Meet the Were-Monster”, terceiro episódio exibido. Escrito e dirigido por Darin Morgan, o episódio entra para a lista de melhores episódios da série. Ele é cômico e nostálgico, e retoma muitas das características que tornaram X-Files uma série tão querida pelos fãs. Os debates entre Mulder e Scully, a interação desses com a tecnologia (que evoluiu tanto desde a série original) e o próprio monstro funciona muito bem porque não se leva tão a sério. “Home Again”, quarto episódio da temporada, tem um tom completamente diferente mas funciona tão bem quanto o anterior. Scully lida com a perda de sua mãe e com todas as dúvidas e questionamentos acumulados ao longo de 23 anos trabalhando ao lado de Mulder. Gillian Anderson entrega uma atuação digna de prêmios, e finalmente vemos a real profundidade do relacionamento entre esses dois personagens na temporada. Por último, “Founder’s Mutation”, segundo episódio da temporada, não foi tão impactante quanto os dois mencionados anteriormente, mas funcionou bem para reintroduzir os personagens ao telespectador. Ao juntar a mitologia da série com um caso da semana, a série relembra porque sua fórmula funcionava tão bem. A química entre os dois atores principais é a grande razão disso, e é justamente ao não explorar esse elemento que a série se perde.

Fica claro que o maior problema de X-Files, hoje em dia, é o seu criador. Chris Carter escreveu três episódios da temporada, e os três foram bastante criticados pela mídia especializada. “My Struggle”, primeiro episódio do retorno, foi extremamente morno, e tentou relembrar a audiência dos bordões da série e não de suas características. A opção por distanciar os dois personagens principais também é questionável e pouco justificada, e acaba fazendo mais mal do que trazendo alguma tensão. “Babylon” foi o desastre da temporada. Criticado por seu teor extremamente preconceituoso, o episódio tenta ser cômico ao tratar de homens-bomba, tentativa que falha miseravelmente. Com uma cena de abertura interessante e uma cena final que pode agradar os shippers de Mulder e Scully, o restante do episódio pode ser facilmente pulado. Por último, “My Struggle II”, que encerra esse ciclo de episódios, erra a mão ao separar os dois protagonistas por grande parte do episódio. O uso excessivo de conversas científicas que não correspondem nem de longe à realidade também incomoda, e o desfecho foi, no mínimo, anticlimático. Carter precisa construir uma equipe que molde melhor suas ideias, e o impeça de realizar plots que não acrescentem nada à série ou, pior, diminuam toda a história que essa já possui.

Nesse momento, não existe confirmação oficial de uma 11a temporada, mas todas as partes envolvidas já expressaram interesse em realizá-la se o cronograma funcionar para os atores. Considerando a forma como a temporada terminou, só nos resta aguardar que a próxima trará um desfecho mais satisfatório.

Previous X-Men: Apocalipse ganhou novo trailer; Assista
Next A BRUXA (2015) | O terror além dos sustos | Crítica